às 10:54:00

São Lucas Ji-Paraná lança campanha “Ser solidário está no sangue”

A Campanha de doação de sangue e cadastro para doação de medula óssea “Ser Solidário está no Sangue” foi lançado pelo Centro Universitário São Lucas Ji-Paraná para estimular a comunidade acadêmica e a sociedade para a doação de sangue e cadastro para doação de medula óssea, principalmente neste período de pandemia. A ação também tem o objetivo de fomentar a responsabilidade social da instituição e instigar o senso de cooperação.

De acordo com profissionais do Hemocentro de Ji-Paraná, com o Covid-19, muitos doadores deixaram de fazer suas doações regulares devido à necessidade do isolamento social, reduzindo, assim, a capacidade de atendimento dos bancos de sangue no estado. Diversos chamamentos foram feitos pela Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Rondônia (Fhemeron) para que a população doasse sangue. Eles alertam que todos os cuidados, conforme os protocolos vigentes estão sendo tomados neste contexto de pandemia.  

Em diálogo com a responsável pela captação de doadores do Hemocentro de Ji-Paraná, a assistente social Priscila, os estoques de bolsas de sangue de todos os tipos sanguíneos estão baixíssimos, sendo que o município de Ji-Paraná tem recorrido aos bancos de sangue de outros municípios para suprir a demanda. Além disso, foi contratado um aplicativo de celular para facilitar o acesso e agendamento dos doadores, estimulando, assim, as pessoas realizarem as doações e evitando aglomerações. 

Para doar sangue é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 kg e ter a saúde em dia 

 

Seja um doador de medula óssea!

O procedimento de doação de medula óssea é seguro e simples, primeiro o doador fará um cadastro no hemocentro de sua cidade, este cadastro fica disponível em um registro único e nacional, o REDOME.
Os profissionais do hemocentro irão esclarecer como é feita a doação de medula óssea e sobre o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE).
Após o consentimento livre e informado, é retirado uma quantia de sangue do candidato a doador para o exame de histocompatibilidade (HLA), que é um teste para identificar as características genéticas e cruzar os dados com possíveis receptores da doação.
Caso haja compatibilidade do doador com algum paciente que necessite do transplante de medula óssea, o doador é comunicado e consultado para decidir sobre a doação.

FONTE: Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea – REDOME


Fonte: